Competições esportivas que respeitam as crianças

Por Daiany França*

Competir faz parte do aprendizado e desenvolvimento das crianças, mas desde que respeite as suas características motoras, psicológicas e sociais.

Mas, infelizmente, seja nos ambientes formais ou informais de ensino, ainda é predominante a reprodução do modelo de competições esportivas de adultos com as crianças. O que, apesar de grotesco, é natural que aconteça, uma vez que a “imitação” acontece desde a etapa de treinamento, onde as crianças são tratadas como “adultos em miniatura”. Mas, ops! Ser “natural” não significa que é correto, não é verdade?!

Ainda bem, nos últimos anos, o debate da Pedagogia do Esporte tem ganhado notoriedade e, como um dos desdobramentos, é possível perceber algumas melhorias e mudanças no ensino do esporte para crianças e jovens. Embora ainda não dê para “contar vitória”, não podemos dizer que não há movimentos em prol de uma melhor e adequada educação esportiva infantojuvenil no nosso país, diretamente refletida nas competições esportivas.

Neste sentido, não é errado dizer que a formação de treinadores evoluiu admiravelmente nestes anos iniciais do Século 21, mas, tentando ser mais razoável, ela ainda está muito restrita a comunidade científica. Eis aqui um desafio real que enfrentamos.

Deixemos os desafios para um outro papo.

Entre os “movimentos” que estudam e trabalham pelo desenvolvimento esportivo no Brasil, destaco o “LEPE (Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte) – FCA/UNICAMP”, liderado pelo professor Alcides José Scaglia e pela professora Larissa Rafaela Galatti, e o “Grupo de Estudos em Pedagogia do Esporte”, liderado pelo professor Roberto Rodrigues Paes. Como admiradora do trabalho dessa turma, não poderia deixar de citá-los neste texto, por isso, além de fazer a citação, deixo o texto do link como leitura recomendada: A pedagogia do esporte e sua contribuição para formação de treinadores.

Voltando às competições esportivas para crianças e jovens.

Nós também – Instituto Esporte Mais e Escola de Educadores – estamos dando a nossa contribuição para o desenvolvimento e a melhoria da educação esportiva apropriada para o público infantojuvenil brasileiro. Neste mês de julho lançamos, em parceria com o Coletivo Bem Viver e com apoio do Governo do Estado do Ceará, os Festivais da Bola, projeto que vai beneficiar 1.200 atletas, entre eles crianças e mulheres, treinadores e mediadores esportivos, de bairros periféricos de Fortaleza. Com competições esportivas baseadas nas bem-sucedidas experiências “OLIPET – Olimpíadas do Projeto Esporte Talento”, “Go Cup” – maior torneio de futebol infantil da América Latina e experiências alemãs, o projeto inclui curso de aperfeiçoamento para os treinadores; construção cooperativa de regulamentos; adaptações de equipamentos, materiais e regras; inclusão de “Cartão Verde”, que recompensará os treinadores que demonstrarem bom comportamento; bonificação extra às equipes mistas; atividades culturais; entre outros “cuidados”.

Até onde sabemos, esse será o primeiro evento esportivo totalmente adaptado às crianças e jovens no Estado do Ceará. Estamos conscientes de que essa experiência, sozinha, contribuirá pouco para o desenvolvimento esportivo brasileiro; no entanto, somos mais conscientes ainda de que é necessário começar. Toda mudança de cultura “passa pelo teste do tempo” e, sabendo disso, continuaremos construindo competições inclusivas e seguras para as crianças. E, queremos que saiba, todo professor – treinador – é bem-vindo!

Quer saber mais sobre os Festivais da Bola? Acesse aqui.

Gostou do nosso conteúdo? COMPARTILHE em suas redes sociais!

*Daiany França é professora de educação física, fundadora do Instituto Esporte Mais e idealizadora da Escola de Educadores.