9 dicas essenciais para motivar seus alunos

Por: Ricardo Hugo Gonzalez e Daiany França Saldanha

O ensino da educação física e do esporte na escola representa uma tarefa complexa, pois está permeado de problemas e dificuldades, tais como desvalorização, falta de material e espaço físico inadequado. Sendo assim, é preciso despertar nos alunos o interesse e entusiasmado pela participação ativa nas aulas. Para isso, a motivação é aspecto fundamental que garantirá a adesão dos alunos, tanto na aprendizagem quanto no aperfeiçoamento. É ainda fator essencial do comportamento humano; é o que nos desperta, dirige e regula. O indivíduo motivado apresenta entusiasmo na execução do que lhe é solicitado e se orgulha dos resultados alcançados, sendo impulsionado a superar-se.

Compreendendo isto, para ajudar os professores a superar esses obstáculos, selecionamos 9 dicas essenciais para motivar seus alunos em suas aulas:

1- Dar um feedback positivo: feedback insignificante (vago, genérico) e feedback ofensivo (agressivo, desrespeitoso) em nada ajuda no desenvolvimento da criança, pelo contrário. Opte pelo feedback positivo ou corretivo, cujos objetivos são reforçar ou modificar um comportamento, o que possibilita o desenvolvimento das capacidades básicas de competência e autoconfiança dos alunos.

Parabéns! Percebi o seu esforço na aula de hoje e fico bastante feliz em tê-la como aluna.

2- Promover metas orientadas ao processo: as atividades devem ser compatíveis às potencialidades individuais dos alunos, considerando estágio de desenvolvimento ou melhoria pessoal da tarefa. Lembre-se de valorizar o esforço e não o resultado final da ação.  

3- Estabelecer atividades com dificuldades crescentes: ao estabelecer atividades complexas é provável que se produza o fracasso, diminuindo a confiança e a motivação dos alunos. Comece do simples para o mais complexo. Desta maneira é mais fácil que se adquira o sucesso, em um curto período de tempo, desenvolvendo a sensação de competência e a destreza.

4- Possibilitar a eleição de atividades: dentro de opções estabelecidas por você, envolva seus alunos na tomada de decisões, com regras específicas e limitadas, facilitando a escolha da atividade. Assim, será proporcionado aos alunos oportunidades de tomar iniciativas e trabalhar de forma independente, aumentando a percepção de sua autonomia.

5- Explicar o propósito da atividade: é mais provável que se desenvolva uma percepção positiva da tarefa e uma sensação de autonomia, quando o propósito da atividade é estabelecido e explicado claramente, uma vez que se o que estiver sendo realizado não tiver sentido ou razão, a criança se sentirá controlada e pressionada durante todo o processo de aprendizagem, acarretando a diminuição de sua motivação.

6- Promover o desenvolvimento de relações sociais: assim se desenvolverá uma maior satisfação e percepção dos alunos sobre a própria capacidade de relação com o outro e da manutenção de vínculos; reconhecer os sentimentos e a perspectiva dos colegas também faz parte do processo de socializar-se, o que potencializará a motivação.

7- Utilizar as recompensas de forma cuidadosa: a recompensa é dada como uma forma de controlar o comportamento humano. O uso exacerbado ou inadequado delas pode reduzir a motivação e a autonomia. Portanto, só devem ser utilizadas como ferramenta eventual, em situações em que um comportamento é novo, e ainda não é intrinsecamente incentivado.

8- Oportunizar diferentes tipos de estratégias metodológicas compatíveis com a capacidades e competências dos alunos.

9- Valorizar e incentivar as qualidades de cada um de seus alunos. Não os ver como um grupo de pessoas, e sim estar atento ao desenvolvimento, aperfeiçoamento e conquistas pessoais como integrantes do grupo.

É importante ressaltar que as dicas acima não esgotam as estratégias pedagógicas disponíveis. Elegemos as que consideramos indispensáveis para o ponta pé inicial dos Professores Educadores.

Texto baseado nas teorias que fundamentam a motivação, principalmente a Teoria da Autodeterminação (TAD) (DECI; RYAN,1985).